Categoria aprova pauta de reivindicações

Jornal

Depois de 29 reuniões setoriais nos mais diversos locais de trabalho, a chuva não impediu que mais de 400 trabalhadoras e trabalhadores se reunissem em Assembleia Geral no SIA, na primeira assembleia da data-base de 2016. A pauta de reivindicações tem 63 cláusulas (veja nas páginas 7 a 12), para que tenha vigência de 1.º de maio de 2016 a 30 de abril de 2018. De acordo com o ACT atual, esta é uma data-base financeira; porém, neste momento difícil para os trabalhadores, as assembleias setoriais sugeriram incluir na pauta bandeiras históricas da categoria, como é costume em outras datas-base.

Entre alguns itens propostos estão a volta do horário corrido arbitrariamente retirado, apesar de as metas operacionais terem melhorado no período, e reajuste salarial de 19,82%, correspondente à inflação do DF calculada pelo IBGE em 11,77%, acrescido de 7,20% do crescimento da Receita Operacional da Caesb no último ano. O adicional de condutor e as funções gratificadas devem ter reajustes maiores devido à inflação não recomposta na última data-base.

A cláusula do Plano de Cargos trata das correções das distorções, com enquadramento dos empregados na tabela salarial vigente, de modo que todos tenham a condição de atingir o teto salarial de seu cargo no período de trinta anos de casa. Além disso, foi reivindicada a equiparação dos pisos e tetos salariais, por nível de escolaridade do cargo.

Na pauta estão inseridos alguns itens novos sugeridos pelos trabalhadores: adicional de risco de vida aos empregados sujeitos a sofrer danos físicos por conta de seu trabalho, inserção da Gratificação de Atendimento ao Público e da Gratificação por Trabalho Penoso em ETE.

Questões importantes acerca da luta pela Caesb Pública também estão presentes, como a contratação imediata dos aprovados no último concurso, realizado em 2012, além da realização de novo certame, com manutenção de cadastro de reserva ativo, a fim de suprir as carências da Empresa. Em relação às finanças da Caesb, as trabalhadoras e os trabalhadores exigem substituição de toda a frota de veículos locados por frota própria e redução do número de funções gratificadas.

Outro item relevante para o fortalecimento da coletividade da categoria, e solidariedade aos trabalhadores que lutaram conosco e estão sendo perseguidos, é a cobrança de que sejam retiradas de todas as ações judiciais ou administrativas contra os trabalhadores participantes da data-base de 2014. O ataque a um de nós é uma ameaça a todos!

No fim da assembleia, os trabalhadores votaram pelo acréscimo de 15 alterações na proposta de Acordo Coletivo apresentada pela diretoria do Sindágua. A pauta foi entregue à diretoria da Caesb no dia 8 de março, junto com a proposta de cronograma para o início das negociações.

Está claro que existem várias necessidades levantadas pelas trabalhadoras e pelos trabalhadores nas reuniões setoriais e na Assembleia Geral; todavia, como já frisamos em outra data-base, não basta reivindicar – é preciso lutar. Por isso, é importante que toda a categoria permaneça unida e que se prepare e resista na necessária luta que teremos pela frente, por nossos direitos e pela Caesb pública e de qualidade.

 SDS – Edifício Venâncio VI – Sobrelojas 12 a 15 - Fax: (61)3323-1196 – CEP: 70393-900 – Brasília-DF –  Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.  login